Banco paga R$ 25 mil a funcionária chamada de “cabeção”

O Tribunal Superior do Trabalho (TST) condenou o banco Santander a indenizar em R$ 25 mil uma ex-supervisora operacional que era chamada de “cabeção” pelo gerente operacional da agência em que trabalhava em Jundiaí (SP), de acordo com informações da assessoria de imprensa do tribunal.

No processo, a supervisora disse que trabalhou para o banco por 13 anos na condição de supervisora operacional e quando foi transferida para a agência da Vila Rami, em Jundiaí (SP), passou a ser ofendida pelo gerente que sempre a chamava de “cabeção” em suposto menosprezo a sua capacidade intelectual. A forma de chamar a mulher era repetida na frente dos colegas de trabalho e dos clientes da agência.

Em primeira instância, a 3ª Vara do Trabalho de Jundiaí (SP) condenou o banco ao pagamento de R$ 25 mil por danos morais sob a alegação de que o gerente agiu de forma culposa no exercício de função hierarquicamente superior. Em segunda instância, o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) reformou a sentença sob o fundamento de que não teria ficado comprovado o tratamento humilhante suportado pela empregada.

A empregada recorreu ao TST e a relatora ministra Delaíde Alves Miranda Arantes destacou que houve excesso de rigor por parte do gerente e que o tratamento descortês do gerente ao lidar com subordinados extrapolou o poder do empregador, causando à empregada “relevante sofrimento íntimo”.

“Tratar mal a todos não o isenta o superior hierárquico do seu dever de urbanidade e tampouco diminui o abuso de poder”, diz a decisão. O tribunal então seguiu a orientação da vara do trabalho e condenou o banco ao pagamento de R$ 25 mil. Procurado, o Santander afirmou por meio de nota que “não se pronuncia em casos subjudice (sob análise da Justiça)”.

Fonte: Portal Terra

Mais uma lição que os tribunais aplicam as empresas e gestores, sendo que as modernas práticas de gestão de pessoas abominam simplesmente tais comportamentos por parte dos líderes porém o RH não está em todos os lugares e muitas vezes fica ciente tarde demais desses lamentáveis ocorridos.