Dress code: O estilo de se vestir no trabalho

Até que ponto a roupa pode interferir na carreira profissional e na forma como as pessoas se relacionam no trabalho

Meias marrons ou pretas. Sapatos alinhados e cinto na cor preta. Barba feita e cabelo cortado e penteado adequadamente. É assim que os entregadores da transportadora americana UPS devem se apresentar todos os dias no trabalho. Na filial brasileira, como em todos os escritórios dela no mundo, existe uma série de normas escritas, que variam conforme a categoria profissional, como explica Michele Cavalcante, gerente de RH da empresa. “Aqui, temos diferenciação somente entre funcionários administrativos e operacionais, que utilizam uniformes padronizados, como os entregadores, por exemplo”, explica.

Segundo a executiva, estes possuem um procedimento específico e passam por auditoria diária antes de saírem às ruas. “O coordenador de operações é responsável por verificar se cada entregador está com seu uniforme limpo e adequado às exigências da empresa. Isso tudo, explica, pois eles são literalmente a imagem da companhia. “Quando pensamos em uma empresa de entrega, pensamos em seus entregadores; eles estão em contato diário com todos os clientes e por esse motivo a apresentação precisa ser impecável”, ressalta.

DRESS CODE FORMAL Michele, da UPS: os funcionários são nosso cartão de visita. Eles carregam a imagem e a reputação da empresa, por isso é necessário vestir-se de forma adequada e de acordo com as exigências (foto: Adriano Vizoni)

De acordo com o ambiente
Mas nem todas as empresas são cheias de regras e formalidades. Cada ambiente corporativo demanda uma roupa diferente – há os mais tradicionais como o financeiro e os mais liberais, como o de comunicação. De acordo com a consultora de imagem Sabina Donadelli, o estilo da pessoa e o ambiente de trabalho devem se adequar. “Uma pessoa criativa pode usar jeans, com lenço colorido como acessório num ambiente de comunicação, como numa agência de publicidade; mas uma advogada, por exemplo, não poderia usar esse look no fórum, optando por um terninho ou saia e blusa com bijuteria discreta como acessório.

Na agência de publicidade Talent, por exemplo, é possível encontrar pessoas com tênis all star e camisetas mais descoladas. Isso porque se trata de um ambiente mais informal, que costuma atrair profissionais com um perfil mais despojado e que se vestem com peças mais modernas e diferentes, como explica a diretora de relações com mercado da agência.

LIBERDADE PARA SE VESTIR Bedulatto, publicitário: na área em que trabalho, você se diferencia por atitudes e pela forma que se expõe. Quem contrataria um diretor de arte que se veste como um banqueiro? (foto: Gustavo Morita)

O publicitário Rafael Braga Bedulatto, de 27 anos, que já deu aulas de informática e teve de se adaptar ao padrão mais sério da empresa, conta que hoje abusa das camisetas com estampas e do all star. “Lembro que quando comecei a dar aulas, os donos da escola pediram para eu me vestir de maneira mais séria, para que os alunos me respeitassem”, diz. Hoje em uma agência de publicidade, Bedulatto tem total liberdade na hora de se vestir.

Chances de crescer
Isso mostra que a máxima de que “cada um pode usar o que quiser” não é tão real como ressalta a sócia-diretora da Mariaca, empresa de treinamento e recrutamento de executivos, Fernanda Campos. “Na área corporativa, as roupas falam pela pessoa, inclusive, ou principalmente, na hora de avançar na carreira. E elas têm de falar bem. Por isso, é importante conhecer o seu tipo físico e o código de vestuário da empresa e saber fazer a mistura correta”, diz.

“Claro que promoção está mais ligada às competências, ao potencial e ao desempenho no trabalho do que ao figurino, mas a maneira de se vestir é parte importante, principalmente, quando se ocupa um cargo estratégico. “Neste caso, a pessoa tem de lembrar que está representando a companhia, portanto é a imagem e a reputação da empresa que está em jogo”, ressalta.

Manual de etiqueta
Com a importância da imagem no mundo corporativo e para evitar trajes inadequados, aconselha-se elaborar um manual sobre o assunto para que os funcionários entendam os valores e conceitos da organização onde trabalham e consigam traduzir a imagem da empresa na maneira de se vestir.

Fonte: Melhor Gestão de Pessoas