pexels-photo-1029896.jpeg
Foto por Moose Photos em Pexels.com

ENTREVISTA com Dra. Stella Maris Redondano – Dermatologista –

Especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia.

CRM – 51978 / Médica cooperada da Unimed Os Bandeirantes.

  • A exposição excessiva ao sol, sem o uso de filtro solar, é fator de risco para desenvolver o câncer de pele?

Sim, a radiação solar tem um efeito cumulativo em nossa pele, sendo assim, com a exposição excessiva ao sol, ao longo dos anos, a radiação solar vai alterando o DNA da pele, podendo predispô-la a algum tipo de câncer de pele. Principalmente nas peles de fototipo mais baixo, ou seja, peles mais claras, que sofrem mais com o sol, podendo haver queimaduras que aumentam ainda mais o risco do câncer de pele.

  • Mais de 60% dos brasileiros não usam nenhum tipo de protetor solar no dia a dia, de acordo com os dados da Campanha Nacional do Câncer de Pele da Sociedade Brasileira de Dermatologia. Qual é a função do protetor solar?

Como moramos em um país tropical, onde a incidência de radiação solar é bem alta, com dias longos de sol no verão, o uso diário de um protetor solar é uma forma de proteger a nossa pele dos danos nocivos da radiação solar ao longo da vida. Portanto, a estatística da Sociedade Brasileira de Dermatologia é preocupante, e todos deveriam se conscientizar disso.

  • Qual é o protetor solar ideal?

O protetor solar ideal é aquele que nos protege das radiações solares Ultravioleta A e Ultravioleta B, que são as radiações solares mais nocivas para a pele e que, ao longo dos anos, tem um efeito cumulativo. Para o dia a dia, mesmo sem exposição excessiva ao sol, deveríamos usar um fator de proteção de, pelo menos, 30. O fator de proteção deve ser maior que 30, principalmente para pessoas com pele clara que trabalham expostas à luz do sol.

  • Qual é a forma ideal de utilização do protetor solar?

O protetor solar deve ser aplicado em toda a pele exposta ao sol de maneira uniforme e com uma boa camada de cobertura, com aplicações a cada duas horas, caso haja permanência da exposição ao sol, ou ao sair da água ou, ainda, quando há uma transpiração excessiva.

  • As malhas de proteção solar são efetivas?

Sim, as malhas de proteção solar de boa qualidade possuem uma trama de tecido que funciona como uma barreira, impedindo que as radiações solares nocivas cheguem até a pele e causem danos. Há pessoas que, por algum motivo, não conseguem usar os filtros solares químicos. Esta condição faz com que as malhas de proteção solar sejam uma excelente opção. Para trabalhadores que ficam expostos ao sol, assim como crianças em piscinas, as malhas de proteção solar são um excelente recurso.

  • Quais alterações de pele são preocupantes? Qual é o momento de consultar um dermatologista?

O câncer de pele pode se manifestar de várias formas: manchas escuras de formato irregular, manchas de várias cores, lesões que sangram com facilidade, verrugas de coloração escura ou avermelhada, com ou sem sangramento frequente. Enfim, se qualquer alteração deste tipo aparecer na pele, é muito importante procurar um dermatologista para uma orientação correta. Se houver muitos sinais (pintas – como são popularmente chamadas), denominadas cientificamente de nevos melanocíticos, saiba que também são lesões que devem ser acompanhadas com frequência por um dermatologista, sendo indicado, se necessário, a remoção, ainda que o indivíduo já tenha esses sinais há muito tempo, ou que sejam de nascença. O dermatologista é o profissional indicado para a orientação e o tratamento das doenças de pele e a prevenção do câncer de pele.

Dra. Stella Maris Redondano – Dermatologista –Especialista pela Sociedade Brasileira de Dermatologia.

CRM – 51978 / Médica cooperada da Unimed Os Bandeirantes.