Romance no escritório pode? O que o caso da CNN ensina

pexels-photo-4009010.jpeg

Foto por cottonbro em Pexels.com

O CEO do canal renunciou por conta da relação com uma colega. À medida que empresas retomam seus escritórios, o RH revisita as regras para romances no trabalho.

Os círculos midiáticos estavam agitados na última quarta-feira (2) com a renúncia do presidente da CNN, Jeff Zucker, uma das figuras mais poderosas da TV norte-americana. Ele anunciou, em um comunicado aos funcionários, que não havia seguido a obrigatoriedade de informar à empresa sobre um relacionamento consensual com uma colega.

GIF Sertec_JackelyneB_300x300Entre os advogados trabalhistas, a história foi um lembrete da importância das políticas em torno de relacionamentos no local de trabalho, especialmente quando as pessoas retornam aos escritórios e assumem mais atividades presenciais.

LEIA TAMBÉM: 6 atitudes para fazer mais amigos no trabalho

Esses manuais e regras “provavelmente acumularam poeira na prateleira em algumas empresas nos últimos dois anos”, diz Amy Bess, sócia da Vedder Price, com sede em Washington. Ela diz que essas políticas ainda são muito relevantes, mas suspeita que serão revistas nesse momento em que as empresas planejam um retorno às atividades no escritório. “Na semana passada, um cliente me pediu para redigir uma dessas políticas pela primeira vez em alguns anos. Isso pode ser um sinal de que isso tudo será revisitado.”

GIF-200x150Nem tudo é proibido
Bess recomenda que as empresas proíbam até mesmo relacionamentos consensuais entre supervisores e subordinados, ou pelo menos exijam que sejam informados. Mas para relacionamentos entre pares, “seria impossível impor” tal política, diz ela. “Você se tornaria a polícia do relacionamento, bisbilhotando a vida das pessoas. A verdadeira preocupação é quando essas relações podem ter um impacto negativo na carreira de um funcionário, já que um supervisor pode realmente afetar a carreira de alguém.”

Na WarnerMedia, empresa controladora da CNN, os “padrões de conduta empresarial” incluem uma seção chamada “relações pessoais no trabalho”. Ele diz que “para evitar um conflito de interesses, os funcionários não devem contratar ou supervisionar (direta ou indiretamente) alguém com quem tenham um relacionamento pessoal”. Acrescenta que “se você estiver em posição de influenciar o emprego, promoção ou contratação de alguém com quem você tenha um relacionamento pessoal, você deve informar o departamento de RH antes de tomar qualquer ação”.

Gif site (180 x 180 px) (1) (1)A colega com quem Zucker teve o relacionamento foi identificada em diverdas reportagens como a vice-presidente executiva e diretora de marketing da CNN, Allison Gollust. Uma porta-voz da empresa se recusou a comentar mais sobre a renúncia do chefe, mas disse em um e-mail à Forbes que sua política está em vigor há “vários anos” e que “todo funcionário confirma receber e aceitar os Padrões de Conduta Empresarial”.

Influência sobre a carreira
A saída de Zucker ocorre em um momento crítico para a WarnerMedia, que deve se fundir com a Discovery em meados do ano. Também está lidando com as consequências da demissão do ex-apresentador da CNN Chris Cuomo após uma revisão sobre a ajuda que ele deu a seu irmão, o ex-governador de Nova York Andrew Cuomo, em meio a uma investigação sobre alegações de assédio sexual. No memorando de Zucker, postado no Twitter pelo correspondente-chefe de mídia da CNN, Brian Stelter, ele escreveu que foi questionado sobre o relacionamento “como parte da investigação sobre o mandato de Chris Cuomo”.

total-grupo-gif-180x180Como presidente da CNN, é quase certo que Zucker estava em posição de influenciar o avanço ou o emprego de qualquer funcionário. É por isso que os CEOs ou os principais líderes, em particular, devem obedecer a essas regras, dizem os advogados. “A pessoa no topo da organização sempre tem a capacidade de impactar o emprego de alguém de alguma forma, seja direta ou indireta”, diz Bess. Também pode haver “a aparência de desigualdade ou injustiça. Outro funcionário poderia acreditar que, apesar de todas as medidas que foram tomadas para garantir a justiça, outra pessoa em seu grupo de colegas está sendo tratada de forma mais favorável.”

Dever de investigar
Julie Moore, uma advogada trabalhista cuja firma, Employment Practices Group, investiga o mau comportamento no local de trabalho, diz que sempre pergunta às empresas sobre políticas de relacionamentos quando está trabalhando em questões de assédio, porque é fácil para os dois se sobreporem, especialmente se um relacionamento azeda. Mesmo um relacionamento verdadeiramente consensual, diz ela, pode ser complicado “com alguém que é superior a você e que controla sua remuneração, sua carreira e seu progresso”.

Moore diz que a notícia de Zucker também é um lembrete para os executivos de recursos humanos de que, uma vez que um empregador tenha “notificação ou conhecimento” de uma conduta que possa contrariar as políticas do local de trabalho, “ele tem o dever de investigar – não importa se for uma avaliação do Glassdoor ou uma carta escrita de 10 funcionários.”

Mesmo em locais de trabalho que continuam o trabalho remoto de forma permanente, essas políticas ainda são importantes. Quando a pandemia mandou as pessoas para casa para trabalhar em seus escritórios em casa, Moore diz que temia que seus negócios secassem sem colegas de trabalho flertando no happy hour ou massageando ombros tarde da noite no escritório.

Mas ela tem estado “tão ocupada como sempre com investigações sobre má conduta”, diz ela, seja envolvendo assédio ou violações das políticas de relacionamento no local de trabalho. “O comportamento humano é o que é”, diz ela. Mesmo no Zoom, “haverá flerte. Haverá atração. Haverá maus julgamentos.”

Artigo de Jena McGregor

Fonte: Forbes Brasil

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s