A felicidade do seu colaborador te interessa?

pexels-photo-927022.jpeg

Foto por Andrea Piacquadio em Pexels.com

Compreender o quanto antes como a felicidade do seu colaborador impacta nos negócios é humano e estratégico

Uns vão achar meio invasivo, afinal, em tese, não temos que nos meter na vida pessoal dos colegas de trabalho. Outros vão entender o recado: a felicidade aqui tem mais a ver com um estado de bem-estar e isso envolve diretamente o ambiente profissional. Não à toa: passamos um terço dos dias úteis trabalhando, ou mais, se considerarmos os deslocamentos (quando a pandemia acabar, claro). A pergunta, portanto, é muito coerente: pensar na felicidade do colaborador é humano e também estratégico para os negócios.

GIF Sertec_JackelyneB_300x300Uma pesquisa da IBM Institute for Business Value realizada este ano com 3 mil CEOs globais não nos deixa mentir: para 47% deles, o bem-estar dos colaboradores será priorizado mesmo que isso custe alguma perda de lucratividade.

Devemos admitir que o tema bem-estar/felicidade é muito recente dentro do desenvolvimento da ciência humana. Está principalmente relacionado à Psicologia Positiva, uma vertente da Psicologia e tem, em outros países, um maior fomento à análises científicas do ambiente profissional.

Entre os precursores está o psicólogo e ex-presidente da Associação Psicológica Americana, Martin Seligman que, na década de 1990, mostrou a importância de estudarmos também os sentimentos positivos, como felicidade, gratidão, não apenas os negativos, como a tristeza e a depressão. Segundo ele, o pessimista não nasce, é criado.

Cultura organizacional e felicidade

É nesse ponto que podemos fazer um bom paralelo com o mundo corporativo. Não apenas com uma visão simplista do tema, em que benefícios como kit boas vindas, acesso a acadêmia ou pufes em sala de descompressão sejam a representação de políticas de bem-estar. Isso ajuda a compor um ambiente agradável, claro, mas a base do sucesso total-grupo-gif-180x180está, precisamente, no desenvolvimento de uma cultura que tenha essa questão como uma das premissas mais fortes da organização.

Vejamos:

Na sua empresa, as pessoas conseguem fazer o horário da refeição sem interrupções? É tolerado um papo mais informal com colegas? Você tem um momento da semana para usar uma roupa um pouco mais casual? A sua liderança é acessível para uma conversa franca sobre os pontos que ela precisa melhorar para o bom desempenho do trabalho? As políticas de desenvolvimento profissional estão bem desenhadas e justas para todos? Os méritos são reconhecidos publicamente e, as correções, realizadas individualmente?

WhatsApp Image 2021-05-24 at 14.29.35

Veja que esses e muitos outros pontos estão ligados à forma como a empresa lida com seus colaboradores nos mais diversos momentos,  e em como a cultura daquele lugar reflete em seus colaboradores. O que tenho visto nestes anos de atuação com RHs é que o bem-estar está diretamente associado ao quanto as pessoas se sentem respeitadas dentro do ambiente e conseguem desenvolver seus potenciais em plenitude. Pesquisas de instituições renomadas já comprovaram que há uma relação direta disso tudo com o aumento de lucratividade e redução de absenteísmo e turn over.

labortime

Quanto antes  a sua empresa entender que sim, a felicidade do colaborador é do seu interesse, mais cedo colherá (bons) frutos dessa relação. Afinal, quando falamos sobre sustentabilidade de um negócio, também é sobre isso que estamos falando!

Autora:  Maria Eduarda Silveira

Fonte: Melhor RH

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s