Como lidar com os impactos psicológicos da quarentena – o papel do RH

quarentena é definida como a separação e restrição de mobilidade das pessoas que potencialmente podem estar expostas a uma doença infecciosa, reduzindo os riscos de eles contaminarem outras pessoas. Apesar de ser utilizada como sinônimo, o isolamento se refere à separação de pessoas com diagnóstico de uma doença infecciosa daquelas não doentes.

De qualquer modo, trata-se de uma experiência ruim. Ninguém gosta da perda da liberdade, do contato com outras pessoas, da incerteza sobre o risco para a saúde e do tédio.

Apesar de se conhecer algumas experiências anteriores, como a epidemia de SARS no Canadá e na China, de ebola na Africa, a adoção da quarentena e isolamento em dimensões globais não tem precedentes na história.

No último dia 14 de março, a revista médica Lancet publicou uma revisão da literatura científica realizada por pesquisadores do King’s College de Londres sobre o impacto sobre a saúde emocional da quarentena nos trabalhadores.

 

Os autores identificaram estressores importantes durante a quarentena: (1) duração (2) medo de contaminação (3) frustração e tédio (4) falta de suprimentos (5) informação inadequada. Mas, também há fatores estressores pós-quarentena, que podem permanecer por meses ou anos, como (1) problemas financeiros (2) estigma (3) ansiedade e depressão.

A revisão constatou que a quarentena está associada, com frequência, a impactos psicológicos negativos. Pessoas com antecedentes de problemas mentais e emocionais devem ser acompanhadas com mais atenção. Os estudos demonstraram que os profissionais de saúde estão mais expostos às consequências emocionais do período de quarentena.

Alguns fatores importantes:

  1. As pessoas precisam entender claramente a situação. Informação é a chave e ela deve ser rápida e efetiva.
  2. Os profissionais precisam receber os suprimentos básicos para o trabalho e também para se manterem protegidos. Além disso, é importante que as pessoas tenham os recursos necessários para a estadia em casa (alimentação, vestuário, etc).
  3. O período de quarentena não pode ser muito longo e, de preferência, ter uma duração pré-determinada.
  4. As autoridades devem enfatizar a questão altruística do isolamento e a sua importância para a comunidade.

A área de recursos humanos precisa estar ciente de que os efeitos emocionais do período de quarentena podem se prolongar por um tempo longo após o seu término e há a necessidade de planejamento na construção de um programa de suporte, em diferentes níveis, para os profissionais, evitando impactos pessoais e na produtividade da organização.

Por Alberto Ogata, presidente da Associação Internacional de Promoção de Saúde no Ambiente de Trabalho (IAWHP).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s