A Importância Da Inserção Dos Mais Velhos No Ambiente Corporativo

A velocidade da transição demográfica no Brasil requer uma mudança de modelo mental. E rápido. O país será o sexto colocado no ranking de pessoas idosas até 2025, quando deve alcançar a marca de 32 milhões com mais de 60 anos.  Anos a mais de uma vida com maior lucidez, autonomia e possibilidade de realizar planos, além da disposição para consumo de bens e serviços é o que projeta a Economia da Longevidade como um dos mais importantes movimentos econômicos deste século. É uma situação, porém, que traz ônus e bônus, dependendo da maneira como for conduzida.

É velho o discurso do desequilíbrio entre a decrescente mão de obra jovem e idosos recebendo suas aposentadorias, sobrecarregando o sistema previdenciário e de saúde. Mas, existem alternativas para amenizar esse quadro. E uma delas está diretamente relacionada ao entendimento das empresas sobre esse processo de envelhecimento e seu impacto nos negócios. Algo que deve ser visto sob um novo olhar, principalmente dos  executivos e dos profissionais de Recursos Humanos.

Recente pesquisa da HSD Consultoria em RH, mostra que 30% dos líderes que estão nas organizações atualmente, estarão fora do mercado de trabalho em 2025. E nas empresas, como na vida pública, não se forma novas lideranças suficientemente em curto espaço de tempo. Mais do que formar líderes, o que já não é algo fácil, também não se criou a cultura intergeracional, que precisa ser disseminada para amenizar os  impactos da transição demográfica.

Acontece que a maioria das empresas no Brasil ainda resiste a contratar pessoas com mais de 50 anos. Algumas já desenvolvem atividades para absorver empregados nessa faixa etária, embora não pelo sistema convencional. O mais usual é por meio de empreendedores, autônomos ou à distância. Esse tipo de mão de obra aumenta no mundo todo e aqui não é diferente. Mas exige contrapartida dos mais velhos, que precisam se requalificar, principalmente, no que se refere à tecnologia.

Outra iniciativa é o projeto de lei que cria o Regime Especial de Trabalho do Aposentado (Reta), proposto em conjunto pelo Instituto de Longevidade Mongeral Aegon e pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe). A flexibilização das regras seria aplicada sobre os aposentados do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e do funcionalismo público.

A ideia é empregar esse contingente, que teria apenas o salário mensal sem os demais direitos trabalhistas, como férias e Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS). Com o estímulo da isenção da contribuição previdenciária e do FGTS para o empregador, a projeção é que, em 10 anos, poderiam ser incorporados ao mercado de trabalho 1,8 milhão de aposentados.

Além da questão social envolvida, também é forma de dar significado a todo conhecimento e experiência acumulados desses profissionais, uma vez que poderiam contribuir com a qualificação da mão de obra jovem, através de um processo de mentoring, sendo valorizados e deixando o seu legado para a
Organização, como em outras Culturas mais amadurecidas.

Por Susana Falchi, CEO da HSD Consultoria em RH 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s