Uma entrevista de emprego inusitada! Recrutador avalia como você reage a um pedido trocado

bad coffeeChefes e recrutadores usam diferentes técnicas para selecionar candidatos a um emprego. Enquanto muitos não arriscam, optando por entrevistas tradicionais, testes e dinâmicas de grupo, outros preferem uma abordagem mais inusitada.

Esse é o caso de Walt Bettinger, presidente da Charles Schwab, multinacional de serviços financeiros. Ele prefere criar uma armadilha ao candidato e contou sua estratégia ao Vault, site americano sobre empregos e carreiras.

Bettinger diz que às vezes marca a entrevista em um restaurante, durante o café da manhã, mas chega antes do horário combinado. Então diz ao gerente do lugar: “Quero que você erre o pedido da pessoa que vai tomar café comigo. Está tudo certo, vou dar uma boa gorjeta. Mas erre o pedido”.

Bettinger diz que faz isso para saber como o candidato se comporta quando recebe um prato diferente do que pediu. “Vai me ajudar a entender como eles reagem às adversidades. Ficam chateados, frustrados ou compreendem?”, conta. “É só mais uma maneira de olhar em seus corações, em vez de suas cabeças.”

Sucesso e fracasso

A entrevista, claro, não para por aí. Ele também pode perguntar sobre o maior sucesso e o maior fracasso do candidato. O objetivo é saber se sua visão de mundo gira ao redor de si mesmo ou dos outros. A resposta não deve ser narcisista. O melhor é falar sobre um fracasso ou sucesso da equipe em que trabalha.

A pergunta final

Ao final da refeição, ele faz uma última pergunta, mas muito importante, que deve ser respondida corretamente ou colocará em risco o sucesso na entrevista: qual o nome do garçom que os atendeu?

Bettinger diz que, durante a faculdade, manteve uma média perfeita de notas. Para garantir isso ao final do curso, precisava ter sucesso em uma última prova. Por isso passou horas estudando e decorando fórmulas.

Na hora do teste, o professor entregou apenas uma folha de papel em branco.

Ele então disse: “Ensinei a vocês tudo o que podia sobre negócios nas últimas 10 semanas, mas a mensagem mais importante, a pergunta mais importante, é essa: qual é o nome da moça que limpa este prédio?

“Isso teve um impacto poderoso. Foi o único teste em que fui reprovado na vida. E foi merecido”, diz Bettinger. “Seu nome era Dottie, e eu não a conhecia. Eu já tinha visto ela, mas nunca perguntei seu nome. Eu tentei conhecer todas as ‘Dotties’ com quem já trabalhei desde então.’

 

Fonte: Happy Hour – Uol

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s