Com mais mulheres liderando empresas começamos a quebrar o paradigma do líder heroico

pexels-photo-3184291.jpeg

Foto por fauxels em Pexels.com

Elas promovem uma cultura do cuidado que se atenta para o bem-estar e reforçam um ambiente de segurança psicológica

As mulheres já são a maioria com o ensino superior completo. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em 2018, elas representam 23,5% dos formados acima de 25 anos, em contraponto aos 20,7% dos homens. Porém, mesmo com a maior porcentagem em escolaridade, elas ainda possuem menor remuneração: 77% do salário dos homens para as mesmas funções e com a mesma (ou superior) escolaridade.

O Banco Mundial mostrou que mais de 60% de meninas em países de baixa renda terminam o ensino fundamental. Carolina Utimura, CEO da Eureca, comentou que o fenômeno de ampliação da escolaridade feminina perante a masculina, além de outros aspectos psicológicos que ampliam a evolução de uma população de gênero a outra, foi nomeado de “Boy Crisis“.

“Porém, essa maior escolaridade, ainda não tem se refletido sobre a participação feminina no mercado de trabalho. Com o cenário de pandemia, as mulheres sofreram mais, obtendo uma queda de participação de 7,5 pontos percentuais (de 53,3% para 45,8%); já para homens foi de 6,1 pontos percentuais (de 71,8% para 65,7%)”, acrescenta Carolina Utimura.

gois

Benefícios

Segundo Stephanie Crispino, CEO da Tribo Global, os principais benefícios de se ter mais mulheres em cargos de liderança é a quebra de tabus no mundo de negócios, como: “você é uma pessoa no trabalho e outra na sua vida pessoal”, “é preciso se colocar de forma masculinizada para crescer na carreira”, “emoções não devem fazer parte do trabalho”.

Dentro das empresas, “as mulheres promovem uma cultura do cuidado que se atenta para o bem-estar de todas e todos e reforçam um ambiente de segurança psicológica que é ainda mais essencial no contexto de pandemia que vivemos hoje”, ressalta Stephanie Crispino.

“COM MAIS MULHERES LIDERANDO EMPRESAS, COMEÇAMOS A QUEBRAR O PARADIGMA DO LÍDER HEROICO QUE RESOLVE TUDO SOZINHO, SABE TODAS AS RESPOSTAS E É INABALÁVEL. COMEÇAMOS A VER QUE A LIDERANÇA QUE ALGUÉM EXERCE É FRUTO DA SUA PRÓPRIA IDENTIDADE E QUE, COMO DIZ O MENTOR DA TRIBO DANIEL FRIEDLAND, LIDERAR É ALGO QUE TODO MUNDO FAZ DIARIAMENTE AO EXERCER A SUA INFLUÊNCIA SEJA ELA POSITIVA OU NEGATIVA” STEPHANIE CRISPINO, CEO DA TRIBO GLOBA.

Liderança humanizada 

Muitos gestores falam sobre liderança humanizada, mas ainda há temas que precisam ser explorados e aplicados no dia a dia das empresas. Stephanie explica que a liderança “é aquela que assume as suas próprias vulnerabilidades com muita autoconsciência, abrindo espaço para que o time também reconheça as suas e aprenda a lidar com elas de forma corajosa e transparente. Essa liderança humanizada olha para a pessoa que existe por detrás de qualquer profissional e se relaciona com seres humanos e não com “máquinas”.

O profissional do RH tem o papel fundamental para a inserção de uma melhor liderança e a ascensão de mulheres dentro das organizações. Stephanie acrescenta iniciativas que podem ser realizadas “cultura e engajamento cultural, programas de desenvolvimento e mentoria, comunicação interna (que promova a sensibilização e educação no tema), mecanismos de avaliação de performance e formação de lideranças humanizadas”.

Diversidade

A inclusão vem também da diversidade da empresa, seja na questão de gênero, sexualidade ou raça. “Ainda temos muito a caminhar em termos de equidade de gênero, em especial se olharmos a questão através da interseccionalidade. Todas as barreiras visíveis e invisíveis que comentei anteriormente crescem exponencialmente para o caso de mulheres que além dos desafios de gênero, se reconhecem como negras, como LGBTQIA+ dentre outras tantas diversidades que existem e que potencializam o desafio de maior equidade de gênero pela sobreposição de discriminações”, ressalta Stephanie.

Carolina destacou dentro da empresa a meta sobre a diversidade continuam atuantes. “Para esse ano; assim como as nossas diretrizes de capacitação do time em vieses inconscientes, a discriminação positiva nos processos de seleção e sucessão, a formação em negócio e o acompanhamento da saúde emocional dos grupos de diversidade. Essa é uma fotografia que nos incomoda e sabemos que existe um único caminho: Trabalhar consistentemente em transformá-la”.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s