Empresas brasileiras investem R$ 2,21 milhões em capacitação de colaboradores, aponta estudo

Entre os não líderes, 49% das ações de treinamento foram dedicadas à atividade-fim das companhias, enquanto as áreas comercial e administrativa receberam 23% e 28%, respectivamente

Em 2018, as empresas brasileiras investiram em Treinamento & Desenvolvimento (T&D) uma média de R$ 2,21 milhões – montante que representa 1,62% das despesas com folha de pagamento. Essa foi uma das descobertas da 13ª edição do “Panorama de Treinamento no Brasil”, estudo que investiga os principais indicadores da gestão de T&D nas companhias instaladas no país. Esse número, entretanto, sofreu uma retração de 8% se comparado aos investimentos na área em 2017, acompanhando o cenário de desaquecimento da economia do país. Paradoxalmente, a área tem ganhado relevância e se mostrado mais resistente aos períodos de recessão econômica.

A pesquisa mostra, ainda, um equilíbrio entre os investimentos em treinamento de líderes e não líderes, com R$ 1,15 milhão (52% da verba total) direcionados à formação de colaboradores e R$ 1 milhão (48%) aplicados no desenvolvimento das lideranças (18% representam capacitações para alta gestão e 30% para níveis de gerência e/ou supervisão). Essa proporção, porém, não é observada nos meios pelos quais são realizadas as capacitações: o investimento em e-learning ou educação à distância (EAD) é de apenas 15% das despesas com T&D contra 62% em treinamentos presenciais. Já os treinamentos “mistos”, que incluem atividades presenciais e EAD, representam 6% dos investimentos, enquanto os treinamentos realizados in-company atingem 17%.

O Panorama também identificou que, entre os não líderes, 49% das ações de treinamento foram dedicadas à atividade-fim das companhias, enquanto as áreas comercial e administrativa receberam 23% e 28%, respectivamente. Essas ações foram distribuídas entre desenvolvimento comportamental (27%), técnico (49%) e obrigatório (24%) e, para 2019, incluirão temas importantes: a prioridade da indústria será a capacitação na área de processos, o setor de serviços focará em inovação e o comércio dará prioridade a vendas.

“Ouvimos 406 empresas no Brasil para determinar o montante de investimentos em T&D, como essa verba é alocada, o que é possível realizar e os resultados obtidos”, explica Fernando Cardoso, sócio-diretor da Integração. “Um dos diferenciais do nosso estudo é justamente o fato de apresentarmos indicadores financeiros, algo que nenhum outro levantamento do tipo oferece”.

Estudo

O estudo, desenvolvido pela Integração Escola de Negócios, em parceria com a Associação Brasileira de Treinamento e Desenvolvimento (ABTD) e a Carvalho & Mello Consultoria Organizacional, analisou dados de empresas de diferentes segmentos e portes, entre nacionais (75%) e multinacionais (25%), com 32% das companhias respondentes representando o segmento da indústria, 13% o comércio e 45% o setor de serviços. Foram avaliados dados como investimentos, alocação de recursos, estratégias e tendências, entre outros, o que permite que as informações sejam analisadas de forma segmentada e confrontadas com os mesmos indicadores auferidos em empresas americanas.

Fonte: Administradores

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s