Os piores conselhos recebidos na carreira

Nem sempre quem avisa amigo é

Pesquisa da Robert Half apresenta os piores conselhos já recebidos por profissionais

São Paulo, novembro de 2017 – Já desabafou com alguém sobre o trabalho? Quantas vezes tirou dúvidas de sua carreira com um amigo ou parente? Caso você se enquadre neste grupo, melhor pensar duas vezes antes de levar adiante o conselho recebido. Uma pesquisa da Robert Half, realizada em maio de 2017 nos Estados Unidos, revelou que 66% dos mais de mil trabalhadores entrevistados já receberam um conselho profissional ruim e 35% deles atribuiu a “má orientação” aos amigos.

Quem ofereceu os piores conselhos da sua carreira?

(Fonte: Pesquisa Robert Half)

 

conselheiros % de entrevistados que responderam
amigos 35%
Pai/ mãe 14%
Irmão ou outro familiar 10%
Professor 9%
Conselheiro de carreira 9%
mentor 9%
Colega de trabalho 5%
Gerente/ supervisor 4%
Outros 4%
Cônjuge 1%

 

É perfeitamente normal que profissionais dos mais diferentes níveis hierárquicos e momentos de carreira sintam necessidade de aconselhamento em questões pontuais. Porém, os especialistas da Robert Half orientam que o aconselhado ouça a sugestão sem considerá-la como verdade absoluta de imediato. A ideia é avaliar prós e contras com base nas prioridades pessoais, antes de qualquer atitude.

Confira os piores e mais comuns conselhos recebidos na carreira:

Conselho

(Fonte: Pesquisa Robert Half)

Porque o conselho é ruim

(Fonte: Especialistas da Robert Half)

“Minta no seu currículo, já esperam que você faça isso.” Em geral, o currículo é o primeiro contato entre candidato e recrutador. É o documento que abre ou fecha uma porta. Qualquer mentira descoberta tende a colocar em dúvida todas as verdades contidas nele.
“Seja moderado no seu trabalho para que você não tenha muitas responsabilidades.” Assumir responsabilidades é uma excelente estratégia para os profissionais que desejam se destacar no mercado de trabalho, principalmente em momentos desafiadores. O responsável pelo desenvolvimento de sua carreira é você. Ao certificar-se de que é um bom profissional a tendência é de que comece a alcançar resultados positivos que não esperava.
“Faça seu currículo bem detalhado e longo.” Os recrutadores têm cada vez menos tempo para avaliar currículos. Dessa forma, o documento deve ter, no máximo, duas páginas, ser claro, objetivo e conter as principais conquistas do profissional nos cargos ocupados, além de palavras-chave que tenham relação com a vaga em questão.
“Mantenha-se o maior tempo possível, por mais que você odeie.” De acordo com o estudo da Robert Half “os segredos das empresas e colaboradores mais felizes” o conceito de felicidade no trabalho varia de pessoa para pessoa. Todos temos frustrações pontuais no trabalho, mas quando essas insatisfações geram desgastes tendem a impactar negativamente na qualidade dos serviços prestados e, consequentemente, colocar em risco sua reputação profissional.
“Não treine para a entrevista.” Pode parecer besteira, mas algumas questões simples fazem toda a diferença em um processo seletivo. É importante saber o que dizer, o que vestir, como cumprimentar o entrevistador, entre outros pontos. A Robert Half preparou um QUIZ que pode te ajudar nesse processo.
“Não faça amizade com seus colegas de trabalho.” O “clima do ambiente de trabalho” é um dos maiores motivadores de um profissional ao escolher uma empresa para trabalhar. Então, faça sua parte: trate aas pessoas com respeito; não se envolva em fofocas; foque no seu trabalho; e tenha atitudes cooperativas.
“Inscreva-se em uma vaga sem fazer uma pesquisa” Muitas pessoas descobrem na sala de entrevista que não têm afinidade com o perfil da empresa, moram excessivamente longe da sede da companhia ou não têm afinidade com o escopo de atividades a ser desempenhadas. O candidato pode evitar o desperdício do próprio tempo e do recrutador se dedicar tempo para checar se possui um perfil aderente à vaga oferecida.
“Pegue o crédito pelo trabalho dos outros para que você possa avançar.” Ao longo da carreira, busque destacar suas qualidades, identificar pontos de melhoria e evoluir sempre que possível. Aceite ajuda, quando julgar oportuno, e atribua o crédito das ações, como gostaria que fizessem com você.
“Permaneça em uma função em vez de crescer dentro da empresa.” Não importa em qual estágio da sua carreira você estiver, defina objetivos profissionais e os reavalie quando necessário. Se já estiver satisfeito, realize tarefas que expandem suas habilidades.
“Responda a primeira coisa que vier à sua cabeça durante uma entrevista” Entrevistas de emprego não possuem um roteiro exato. Porém é possível prever quais são as perguntas mais comuns feitas pelos entrevistadores. Invista tempo nessa pesquisa e tenha em mente uma resposta adequada para cada uma delas.

Fonte: Perspectiva Comunicação

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s