Assédio moral no trabalho agora vai virar crime

Apesar do assunto estar cada vez mais em alta, a Justiça brasileira ainda julga casos de assédio moral como dano moral. A comunicadora Ana Carolina Izidoro, de 44 anos, trabalhava há quatro meses em um e-commerce de flores quando passou a ouvir broncas severas da proprietária. “Ela reclamava das minhas roupas, do meu perfume, da minha voz, tudo era motivo para implicar comigo.” As cobranças aumentaram, principalmente, depois que reclamou da situação para o outro proprietário. “Minha chefe me humilhava dizendo que eu era incompetente, que não adiantava reclamar, pois era dona da empresa e fazia o que queria. Que ela era superior a mim.” A situação levou a comunicadora a fazer terapia e tomar medicamentos calmantes. Até que foi demitida. “Ela mesma me mandou embora. E quando falei que iria processá-la, riu e disse que eu não teria coragem.” Saindo de lá, Ana Carolina procurou um advogado e levou o caso à Justiça. Apesar do assunto estar cada vez mais em alta, a Justiça brasileira ainda julga casos de assédio moral como dano moral, de acordo com a Constituição Federal de 1988. O Código Civil brasileiro também trata do tema, ainda que de forma geral, ao determinar que é considerado ato ilícito causar dano a outra pessoa, ainda que exclusivamente moral. Mas isso deve mudar. A Câmara dos Deputados, em Brasília, já aprovou o projeto de lei que transforma em crime o assédio moral no trabalho. O texto agora passará pelo Senado e depois pela sanção do presidente da República para entrar em vigor. Assédio ou exigência Como a legislação trabalhista ainda não traz uma definição específica para esse caso, existem interpretações sobre o que seria ou não assédio. “Ele pode ser caracterizado quando existe, de forma recorrente, comportamentos, atitudes, gestos e condutas abusivas, agressivas ou vexatórias, atingindo a dignidade do trabalhador e sua saúde física ou psíquica”, explica a advogada trabalhista Daniela Yuassa, do Stocche Forbes Advogados. Pode ser uma ofensa verbal ou escrita, desde que o conteúdo tenha o objetivo de constranger, humilhar ou diminuir um trabalhador. Por outro lado, não são consideradas como assédio as cobranças, exigências e críticas construtivas. “Por isso é sempre importante analisar a situação de fato para identificar se houve ou não assédio moral”, alerta a advogada. Canal de denúncias Essa falta de clareza na legislação também afeta as empresas. A maioria prefere não se pronunciar sobre esse assunto. De acordo com o consultor Alexandre Benedetti, diretor da divisão de Recursos Humanos da Talenses, as grandes empresas estão criando canais de ouvidoria, que funcionam de forma independente, para receber essas denúncias, apurá-las e determinar as medidas necessárias para coibir a prática. Em algumas, a comunicação é até anônima a fim de proteger a vítima. “Essa apuração pode ser tratada localmente, regionalmente ou globalmente. É um assunto muito sério e que, com a mudança das relações de trabalho, está ganhando mais força. Anos atrás, trabalhadores passavam por isso, mas nem identificavam o que estava acontecendo. Agora é diferente”, diz Benedetti. O que é errado, segundo o consultor, é deixar a denúncia de lado. Para ele, uma empresa séria e ética apura e toma as medidas necessárias. Fonte: O Sul Jornal

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s